12 de nov de 2010

MASSACRE NATALINO?!

O comércio já está enfeitado: cores, luzes e brilho nos enlevam e convidam ao consumo, na verdade, nos massacram.

Por que na época do Natal as pessoas apenas se preocupam em consumir?
  • Distorção do sentido desta data cristã (O Natal é como um presente de Deus para a humanidade e também se trabalhou muito o significado do presente que os três reis magos levaram ao menino Jesus)
  • Necessidade do mercado de encontrar datas onde o estoque de produtos possa ser escoado.
  • Se o consumo não for gerado, a produção tende a cair enquanto o desemprego corre o risco de aumentar.
  • Conflito pessoal: como vou ser bom pai se não der presentes no natal?
  • Propagandas com apelo ao consumo atinge a todos, sejam pobres ou ricos.
  • O Natal acaba significando a época de ter algumas coisas, de comprar.
  • As pessoas apenas se preocupam com o que vão vestir, o que vão comer...
Como é possível mudar esse quadro?

  • Incentivar uma atitude mais crítica de consumo, mais responsável, mais solidária
  • Batalhar para que as pessoas tenham seus direitos respeitados, condições de vida dignas e políticas públicas ( um trabalho difícil).
  • Para qualquer momento, as pessoas só devem consumir aquilo que é necessário.
  • Não consumir produtos que explorem, em sua cadeia de produção, o trabalho infantil. (verificar se o produto tem o selo da Abrinq “Empresa Amiga da Criança”).
  • Optar pelos produtos ecológicos que visam a preservação do meio-ambiente.
  • Comprar compulsivamente pode ser uma maneira de encobertar problemas emocionais
  • Contrabalançar consumo com cidadania.
  • Os pais não podem dar tudo o que seus filhos quiserem, mas tudo a que eles têm direito, isto é, serem amados e respeitados em suas necessidades.

"Os filhos não podem ser um saco de consumo,

onde você vai jogando tudo lá dentro.

É claro que não há como educar

sem confronto, sem crise.

Ainda mais porque a mentalidade consumista

vem junto com a nossa certidão de nascimento."

Baseada na entrevista concedida pelo padre Julio Lancellotti à Revista Consumidor S.A.

http://www.idec.org.br/consumidorsa/0112.htm

3 comentários:

  1. Oi amada...
    Gostei do texto, também sou professora da rede estadual SP. Já estou te seguindo, quero passar sempre por aqui para ver as novidades...
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, colega!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. É isso... as pessoas se envolvem facilmente com o que é êfemero e fluído, numa sociedade de consumo.O importante é na teimosia de nossa consciência irmos cultivando um olhar crítico à realidade posta.
    Um grande beijo e parabéns pela postagem!
    Luciana.

    ResponderExcluir